13 de abril de 2009

Surpresas



Você vive. Está saudável, trabalha, leva seu dia-a-dia normalmente. Acorda, manda o filho à escola, lava quintal, põe roupa no varal, faz compras, vai ao shopping, frequenta sua religião, encontra amigos, paga contas, programa viagens, faz planos profissionais, pessoais, ama, é amado. Passa por dificuldades normais, aperta daqui e dali, mas sempre dá conta.

De repente, uma surpresa. Não uma grata surpresa, mas uma notícia aterradora que vai simplesmente, assim, de ontem pra hoje, parar sua vida. E o seu tapete lhe é retirado debaixo dos pés num único puxão. Você cai. E o chão é frio e duro.

Nunca estamos preparados para as surpresas que a vida nos reserva. E não podemos achar que enganamos a vida, pois ela sempre nos encontra, tanto para as notícias boas como para as ruins.
É isso o que derruba a arrogância, o errado senso de ser todo-poderoso, a vaidade e o orgulho excessivos. Na hora de encarar a surpresa, todos são iguais, não tem rico, pobre, mulher, homem, raça, religião. Somos seres humanos, passíveis de viver bem ou não. Saudáveis ou não. Inteiros ou não.

Notícias ruins existem para baixar a crista, exercitar a humildade, e promover mudanças. Por isso deveriam ser encaradas como oportunidades. Seja lá qual for a forma que encare a vida, como se diz popularmente, “é preciso fazer do limão uma limonada, ou caipirinha”. E esse é o momento ideal para pensar um pouquinho em crescimento pessoal, reprogramação de desejos e reorganização de valores. Afinal, luta-se pela vitória pra quê? Para continuar sendo a mesma?

A vida me puxou o tapete. Caí com o traseiro no chão e fiquei feito uma barata moribunda, imóvel, quase inerte com o impacto da surpresa. Levantar não é fácil. Dá trabalho. É um exercício de recuperação da confiança, de reconhecimento da própria força, de vitória sobre o meu pior inimigo: o medo.

Porém, sendo quem sou, a briga promete ser animada. Não será fácil, mas será um duelo de titãs. E pra quem duvida da minha capacidade de aproveitar a má notícia como oportunidade, um aviso: minha caipirinha já está no liquidificador.


.

12 comentários:

Nathalie de La Puente disse...

É isso aí Giovana!
A vida é feita de superação!
A alegria supera a tristeza,
O consolo supera a dor,
Nossa fé supera nossa dúvida,
Nossa esperança supera nosso desespero,
Nosso entusiasmo supera nosso desânimo,
O sucesso supera o fracasso,
A coragem supera o medo,
A força supera a fraqueza...e por aí vai.
Força!!E um dia brindo contigo essa limonada!!!rs
Beijos,
Nathalie de La Puente

Giovani Miguez disse...

Minha Xará,

Sei o que é ter o chão tirado. É duro! Isso acontece com os que tem um foco, uma missão na vida. Estou contigo e, na qualidade de um modesto admirador, estou aqui vibrando por seu pleno sucesso.

Um grande abraço,

Giovani Miguez

POESIA EM VOLTA disse...

Precisamos nos reconhecer em cada momento da vida. Eu reconheci você guerreira no seu texto. Estou sempre aqui e quero estar mais. No pouco que te sei, muito de mim te admira! Beijos rê

Anônimo disse...

Giovana
Apenas uma palavra para você: FORÇA.
Estamos orando por ti.
Um amigo.

cintia sibucs disse...

é isso aí garota!
amei esse texto que demonstra toda essa força. e como vc mesma me disse, "a gente tira força nem sabe de onde, mas tira!"
bjs, te amo.

Frávia, a dona do brog disse...

Eu não tomo caipirinha... mas transformo todos os limões em caipirinhas perfeitas. E distribuo aos amigos. Convido-os a beber por mim.
E é isso o que eu faço agora: ergo, à você, sinônimo de determinação.
Como dois e dois são quatro e como vive e reina um Deus, você vai passar por mais essa.
Ainda duvida?
Beijo grandão pra você...

Anônimo disse...

Tô perto, saiba disso.

às vezes nos atrapalhamos com o tempo, as tarefas, a vida e não conseguimos encontrar com as pessos queridas. Estou mais perto do que você imagina! Pode contar comigo!
beijo!

sheilimar

Cessel disse...

Que Deus te dê muita fé e força para superar qualquer problema na sua vida.

Rildo Barros disse...

Que texto sensacional! Sempre penso na vida e nas coisas as quais a gente não tem controle e não pode controlar por mais que queira. Como vc mesmo disse... a gente cai e passa a encarar tudo diferente. Mas relaxa que vc não vai cair nunca e logo, logo...tudo entra nos eixos de novo.

bjo

Claudio Carvalho disse...

Puxar o tapete o cacete. Você dá uma volta e ele vira um tapete voador, tecido com fios da fé, coragem e confiança pra vc sair dessa. Um brinde a você.
Um beijo.

Thayra Azevedo ♥ disse...

Eu li isto exatamente no momento que mais precisei. Semana passada perdi uma das pessoas mais importantes da minha vida, minha bisavó e, esta crônica falou tudo que estava sentindo.
Diferente de você, minha limonada já está na geladeira. rsrs
beijos

Frávia, a dona do brog disse...

Só pra reiterar ... to orando por você.
A M O O O
Beijo