1 de outubro de 2012

Contra o Câncer de Mama...

...um Toque de Coragem

Eu tive câncer de mama. Três anos atrás, logo após completar 40 anos, confirmei que um nódulo não era exatamente um nódulo e, a partir dali, encarei uma maratona que durou nove meses. Exames e mais exames, um pequeno procedimento cirúrgico para retirada de material para biópsia, seis seções de quimioterapia, uma grande cirurgia para retirada da mama e reconstituição imediata, e vinte cinco aplicações de radioterapia.

Nove meses. Com certeza pouco, se comparado aos muitos meses ou anos que pacientes oncológicos enfrentam, com idas e vindas a médicos, dezenas de internações, um sem número de seções de quimioterapia.

Enfrentei a doença com galhardia e disso me orgulho. Entre choros de medo, dores, enjoos e cansaço, coloquei meu tratamento na agenda, olhei para a frente e, com toda a minha altivez, levei até o fim. Sem nunca perder a certeza, a alegria, o bom humor, a vontade de viver.

Desde o primeiro momento aceitei de pronto o que estava acontecendo comigo, com a humildade de quem reconhece o aprendizado que vem de uma experiência como essa. Curvei-me diante do que não poderia ser mudado: “sim, eu tenho um câncer, mas ele não vai ficar aí, porque eu não quero, porque sou mais forte, porque câncer gosta de tristeza e este espaço ele não vai encontrar aqui.”.

E não encontrou. Apesar de seus rechonchudos 8,5cm, começou a morrer logo depois da primeira aplicação de quimioterapia até desaparecer por completo. Fiz a cirurgia em seguida e o resultado da biópsia foi negativo. No mesmo procedimento cirúrgico, chamado TRAM, minha mama foi esvaziada, com preservação de mamilo e aréola, e reconstituída internamente pelos meus músculos retroabdominais e gordura do abdômen.

Venci a doença, mas para isso precisei antes me vencer. Virei-me do avesso para encontrar lá dentro aquele lugarzinho onde ficam escondidas a força, a coragem, a garra. Não é fácil, mas é possível.

***

Segundo tipo mais frequente no mundo, o câncer de mama é o mais comum entre as mulheres e responde por 22% dos casos novos a cada ano. Na população mundial, a sobrevida média após cinco anos é de 61%.

Não só mulheres são acometidas pelo câncer de mama; homem também tem, embora o número de casos registrados seja bem menor. Em 2010, 147 homens morreram vítimas da doença, contra 12.705 mulheres.

No Brasil, as taxas de mortalidade por câncer de mama continuam elevadas, muito provavelmente porque a doença ainda é diagnosticada em estágios avançados.

Está justamente aí o foco da campanha permanente de prevenção e que em outubro tem o seu ápice.

Entramos hoje no Outubro Rosa; um mês inteiro de campanha para que mulheres de todo o mundo se mobilizem por si e pelas outras, para que façam o autoexame, que procurem seu médico – mastologista ou ginecologista – e coloquem seus exames de mamografia em dia.

Quanto mais cedo ocorrer o diagnóstico, maiores as chances de cura. E os tratamentos atualmente são muito mais eficazes, o que pode, sim, garantir a sobrevida das pacientes.

***

Eu estou entrando nessa. Entre você também na campanha.

A partir de hoje, na minha página no Facebook, vou postar dados, dicas, informações. Curta a página, acompanhe as notícias e compartilhe. Conte também a sua história, sugira links, participe com o que puder. Vamos criar volume neste movimento.

Um ótimo Outubro Rosa a todos!


***

Outubro Rosa – No Brasil, a idealizadora da 20ª edição da Campanha Mundial Contra o Câncer de Mama é a agência Luminas, que criou o vídeo que você assiste ao clicar no banner lá no alto da página. A campanha é promovida pelo Grupo Estée Lauder e patrocinada pela marca Clinique no Brasil. As ações da campanha levarão o tema "Toque de Coragem – Nós acreditamos em um mundo sem câncer de mama. Acredite Também.".

.
.
.

5 comentários:

Luciano Neto disse...

O passado passou, agora é olhar pra trás, aproveitar somente o que ficou de lição e seguir para a frente. Sempre que a dor bater na sua porta, leia Emmanuel, ele é um grande amigo nessas horas. Beijo.

E Deus seja louvado!

Giovana Damaceno disse...

Luciano,

A parte negativa do passado deve, sim, ficar lá.

Mas o que se aprende com a experiência deve ser trazido pra cá, para o lugar onde estou, e ser dividido e compartilhado com as outras pessoas.

Meu objetivo com este texto é tocar as pessoas - "Toque de Coragem" - para que distribuam estas informações e provoquem em todos, mulheres e homens, a coragem de se prevenirem contra o câncer de mama.

Isso é o que desejo de todos os que me leem. Participação ativa nesta campanha.

Beijo e obrigada.

Luciano Neto disse...

Sim, sim, entendi. É que eu também passei por uns momentos atrozes na minha vida que me amadureceram um bocado. Hoje, quando olho pra trás, eu vejo que se eu não tivesse vivenciado tudo aquilo, talvez eu não compreenderia o que vivo hoje. É que nem quando o cara vai servir o exército, lá dentro ele come o pão que o Diabo amassou, mas por outro lado ele sai de lá preparado para passar frio, fome ou o que tiver que passar. Emmanuel diz que "por mais escura que seja a noite do teu sofrimento, determinam as leis de Deus que amanhã seja um novo dia". Beijos e boa campanha.

Solange disse...

Olá Giovana
Muito prazer...estamos juntas, informação é tudo.
Beijos da Sol

Paulo Roberto disse...

Obrigado por sua luta.Seu exemplo. Hoje comecei uma quimio de 3 períodos de 06 semanas, com aplicação 01 vez por semana. Um Adenocarcinoma foi o causador deste novo procedimento. Sua trajetória me estimula. Também con
seguirei. Bjo.