5 de outubro de 2007

Cachaça

Um gole, um trago.
A sede que mata
e trago que mato
esta sede. Torpor!

Bebida, sorvida,
maldita cachaça,
que mata essa sede
e me mata. Que horror!

De dia, de noite,
essa sede me toma
e eu tomo a cachaça
e me salvo da dor!
.
.

Um comentário:

cintia sibucs disse...

eu já li esse texto alguma outra vez?
acho q sim, mas ñ tenho certeza.
de qquer forma, adorei!

bjs!