31 de março de 2013

Viagens eróticas noturnas


Cinco mulheres à mesa do almoço, falavam sobre temas diversos, um amarrado ao outro, conforme cada uma acrescentava novas informações. E o papo foi crescendo até uma delas falar de música. Entre nomes de cantores e compositores surgiu Caetano Veloso. Músicas foram lembradas, elogios feitos, fofocas sexuais sobre a vida dele levantadas, e então ouviu- se a revelação:

“Já sonhei com o Caetano. Que a gente estava transando.”.

À primeira reação de surpresa ou espanto, ela logo atirou:

“Gente, ele é ótimo. Faz tudo direitinho, vocês nem imaginam, nossa, é perfeito!”.

Antes mesmo de acalmar a gargalhada geral entrou a outra: 

“Eu sempre sonho que estou trepando com alguém famoso. É muito interessante, aliás, delícia mesmo. 

E o melhor que tive vocês não vão acreditar: foi com George W. Bush.”.  

“Ecaaaaaaaaaaaaa!”.

“Meninas, vocês não estão entendendo. Esqueçam o que conhecem dele e escutem: o cara é gostoso demais. É todo sensacional, tem uma pegada que nunca experimentei antes. A vontade é de não acordar nunca e ficar lá, uma após outra. Foi uma noite tórrida.”.

“Juraaa? Fala sério. Quem mais você provou em sonho?”.

“Ah, já tive minhas noites intensas com Roberto Carlos, Fábio Júnior, Zeca Beleiro, Ayrton Senna e até com Barack Obama.”.

“Ai, amiga, Obama deve ser ótimo, huumm...”.

“É, sim, e tem a bunda durinha!”.

Ao lado, o único homem da mesa comia em silêncio, quase engasgando.

“E você, Fulano, nunca teve sonhos eróticos com mulheres famosas?”.

“Pra falar a verdade eu tô aqui realizando um sonho. Sempre quis saber o que as mulheres conversam dentro do banheiro...”.

Surreal este papo; e mesmo cômico, revela o quanto de importância o ser humano é capaz de dar às viagens que faz enquanto o corpo repousa, o quanto de significado carrega para o estado de vigília, e o quanto leva para a realidade as experiências vividas durante a inconsciência do sono. A ponto de descrever como verdadeira a performance de parceiros sexuais noturnos, nunca antes apreciados na realidade.

Os meus sonhos, por exemplo, são muito marcantes. Costumo lembrá-los durante todo o dia, ou dias, ou mesmo semanas. Se for um sonho bom, erótico de bons resultados, festivo, elucidativo, fico aprisionada nele por muito tempo. Nem sempre é caso de interpretá-lo, mas simplesmente de revivê-lo repetidamente, para estender a sensação de prazer.

Apesar de inúmeros esclarecimentos sobre sonhos que a ciência nos traz atualmente, nossas viagens noturnas ainda são um mistério. Ouvi dia desses (não vi quem era) um psicólogo dizer numa entrevista na TV que ainda há muito o que se estudar a respeito, principalmente sobre sonhos premonitórios, já comprovados, mas não explicados cientificamente.

Segundo o psicólogo José Tarcísio Cavalieri Júnior, os sonhos são sempre uma composição de conteúdo manifesto e de conteúdo latente, numa cena em que não necessariamente há organização coerente. Pode conter, portanto, fragmentos do que é vivido quando estamos acordados, somados a conflitos psíquicos e emocionais. “Mas uma coisa é sempre certa - diz ele - Genericamente, pode-se afirmar que o que não se consegue ou não se pode fazer desperto, faz-se de noite, em sonho, porque durante o dia a consciência reprime, enquanto à noite, dormindo, o inconsciente é livre.”.

Então, meninas, acho bom encerrar por aqui.
.
.
.

Um comentário:

Urbano Gonçalo disse...

Bom ... vivam os sonhos!!
Esses normalmente não desiludem ninguém, porque ao fim e ao cabo obedecem ao nosso intímo secreto.
Achei interessante, tenho a "confessar-te" uma coisa de "homens", nós não sonhámos de uma forma erótica com as mulheres por quem estamos apaixonados, não pelo menos enquanto não existir uma relação própriamente dita.
Tens mais curiosidades lá no meu blog, se te interessar.
Bjs, fica bem.