19 de agosto de 2012

Cansaço eleitoral, antes da eleição


De repente eles aparecem, aos montes, não sei de onde saem de uma só vez. São centenas e deste tanto devo conhecer uns dez. Do resto, nunca vi mais gordos, ou melhor, mais feios, que me perdoem. Falo dos candidatos cujas caras pipocam por todos os cantos, em placas, faixas, galhardetes, flyers, folders, santinhos. Poluem a minha cidade e a minha visão, pela grande quantidade e pela má qualidade das fotos. Por mais que se esforcem o resultado é sofrível. Os que contam com uma boa assessoria publicitária ainda chegam perto do mais ou menos, mas a grande maioria peca, e peca feio!

Há os menos favorecidos que têm de se virar praticamente sozinhos e preparam seu material de campanha como podem. Fica aquele desastre. Por outro lado, os que podem pagar por uma consultoria, fotógrafo e edição se empolgam, exageram e são vítimas de si próprios, ou melhor, do photoshop. Há um candidato na minha cidade que é sabidamente de idade, pelo menos os cabelos e a barba não escondem tal fato. Mas o photoshop é tão, mas tão excessivo, que ele aparece nas fotos de campanha com pele de neném. Ridículo. Irreal. Há ainda um outro que tenta convencer com uma pose meio de ladinho, sorrisinho de esguelha, arriscando simpatia e sedução ao mesmo tempo. Esse me tira muitas risadas a cada vez que o vejo fixado pelos muros. Sem falar nas caras inexpressivas, olhares que não dizem nada, sorrisos vazios. Céus, quem são e o que querem estas pessoas?

Como disse, a maior parte não conheço. Este ano são 461 candidatos em Volta Redonda - sendo 433 considerados aptos pela Justiça e Eleitoral - para 216.938 eleitores. Poucos conheço pessoalmente, alguns outros já ouvi falar, mas a maioria parece que surge do nada. São rostos estranhos, nomes mais estranhos ainda, quando não esdrúxulos, sem atuação, sem vida política pregressa, sem proposta, sem expressão, sem mais um monte de coisas. Pergunto: quando é que fizeram algo pela sua comunidade? Que tipo de trabalho, projeto ou programa já criaram ou desenvolveram em favor dos outros? O que sabem sobre política pública? O que sabem sobre legislação municipal, estadual ou federal? O que sabem sobre legislar? O que sabem sobre a sociedade para a qual pretendem trabalhar, caso se elejam?

Juro, há centenas de caras que vejo por aí, das quais nunca ouvi dizer que fizeram algo relevante pela coletividade. E querem se eleger vereadores por quê? Pra quê? É legítimo o desejo deles, isso não discuto, mas confesso que tremo de medo, ou me dá aquela conhecida crise de desânimo. Ainda há os antigos, os tradicionais, aqueles que não largam o osso, das velhas raposas aos que não são isso nem aquilo, e vão se perpetuando, ficando, morando, e o povo votando... Ai que preguiça.

Campanha eleitoral me cansa. Não gosto desta balbúrdia a cada dois anos.  Não gosto porque me empurram algo que não quero ver ou ouvir (talvez porque me decido logo pelos meus candidatos). Não gosto porque me obrigam a dar de cara com placas e mais placas, diariamente, nos mais variados trajetos e não quero ver nenhuma (aliás, com tantas agrupadas, não se vê mesmo, nenhuma em especial). Não gosto porque carros de som me acordam assustada de manhã, com jingles e locuções gritantes e distorcidos. Não gosto porque minha caixa de correio fica cheia de lixo (quem gosta é minha gata, que ganha muitas bolinhas de papel todos os dias). Detesto os que me abordam sem perguntar “Posso?”.

Tudo bem. É o processo democrático, inclusive na minha própria casa. Nunca faço campanha pra ninguém, sequer revelo meu voto. Mas tive de tolerar um galhardete no meu poste interno, para permitir a manifestação dos outros membros da família. Paciência. Passa logo. Faltam apenas alguns dias para este incômodo todo acabar. E que venham mais quatro anos de mais do mesmo, porque com o que vejo por aí, pouca coisa há de mudar e o que mudar, aff!



.
.
.

4 comentários:

Carol Cunha disse...

Confesso que sinto o mesmo. Uma preguiça de interagir me invade em tempos de eleição e este ano está pior. Tudo é feio, poluído, desorientado! É cartaz por cima de cartaz, placas enormes que nos atrapalha trafegar pelas calçada e uma falta de educação de quem nos aborda nas ruas...Afffs multiplos! Já ando com pouco tempo, pouca paciência, e a coisa ainda vai até outubro!! Ai meus sais!! Gostaria de ver outro cenário, de mais diálogos, debates, de mais troca e menos barulho!

Anônimo disse...

Comentar o que? A Giovana já disse tudo.
Calino.

Frávia, a dona do brog disse...

É... e hoje começa no rádio e na tv. Pra mim não faz diferença, porque continuo sem paciência para enfrentar alguns minutos de televisão.
E vamos nessa... que falta pouco pra terminar.

Luciano Neto disse...

Giovana, eu já fui militante do PCB, o "Partidão". Tava conversando com um amigo outro dia (ele é comunista), falei pra ele que hoje em dia o "meu partido é um coração partido". O fato é que me desliguei do PCB e resolvi optar pelo anarquismo pois tem mais a ver com a minha essência, rsrsrs. Beijos.