27 de março de 2011

Rodeio não!

Esta semana minha cidade mais uma vez vai sediar um espetáculo odioso. Touros e cavalos serão empurrados à arena, submetidos às práticas das mais cruéis, para corcovearem enquanto são montados por peões corajosos, sob os aplausos de uma platéia insana. Isto se chama rodeio. Um show de atrocidades ainda chamado de esporte, que felizmente, porém aos poucos, vai sendo proibido por lei em diversas cidades brasileiras. Até nos Estados Unidos, seu país de origem, já há cidades que baniram os rodeios.

Aqui no Brasil, este tipo de divertimento dos peões começou por volta da década de 50, justamente durante o trabalho de doma de touros bravos. Nos anos 60 os peões já haviam se transformado em competidores e corriam as cidades atrás de prêmios em dinheiro. Hoje os espetáculos de rodeios rendem milhares de reais e de dólares em festas de boiadeiros realizadas pelo interior do país, com tradição pecuarista. E Volta Redonda, mesmo sendo uma cidade de origem operária, recebe anualmente uma companhia que expõe os animais ao sofrimento e à humilhação, em troca de muito dinheiro, não só da exploração na arena, mas também dos shows musicais contratados para animar o que não tem graça nenhuma.

Quem promove este circo de horrores, por conta de interesses financeiros, defende-se de várias formas, argumentando que os animais são bem tratados, porque são as verdadeiras estrelas do espetáculo. Porém, fotos e vídeos feitos em rodeios por este país afora nos provam o contrário. Bois e cavalos são submetidos a choques elétricos; introdução de objetos perfurantes no ânus; ferimentos no dorso feitos com agulhas, pregos e anzóis; terebentina, pimenta e outras substâncias abrasivas são introduzidas no corpo do animal antes que sejam colocados na arena, para que fiquem enfurecidos e saltem; e muitos deles ainda passam pela descorna, na qual o chifre é aparado com um serrote, sem anestésico. Diversos laudos oficiais atestam o sofrimento e os maus tratos infligidos aos touros em variadas práticas, destacando-se os emitidos pela Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da USP e do Instituto de Criminalística do Rio de Janeiro.

Impossível virar as costas e ignorar a irresponsabilidade do poder público municipal em sediar, patrocinar, apoiar, promover este tipo de espetáculo na cidade. Não estamos mais na antiguidade quando homens e animais eram jogados nas arenas para morrerem sob a aprovação fanática da turba sedenta de sangue. Estamos no século 21. Não precisamos mais deste tipo de prática primitivista, mercenária e inculta.
.
No Twitter: @gidamaceno

8 comentários:

Fernando de Barros disse...

Fico me perguntando: quem será o animal? O que monta, prepara o touro e os cavalos ou aquele que sofre.
Creio que a resposta será opção 1.

Jusimara disse...

Sinceramente, sempre gostei de rodeio. Naquele momento não via o animal como um ser vivo, e não sabia destes artifícios usados para que eles fiquem enfurecidos, na verdade a atuação do peão era o foco. Mais este texto me fez pensar um pouco mais sobre o assunto. Descobri que alguns estados como o Paraná já fazem rodeios com touro mecânico. Espero que os organizadores vejam o touro mecânico como uma inovação, para que não haja maus tratos a estes animais.

Carlucio Bicudo disse...

É sempre triste saber das atrocidades que são cometidos por peões. Que em nome de diversão, fazem com os pobres animais.
Afinal, que espécie de homens, somos nós?

Guará disse...

Pois é, há muito tempo atrás não sabiamos muito do que aprendemos atualmente. Então, visões antigas não cabem em um novo tempo. Infelizmente, só um propósito não mudou através do tempo: ganhar dinheiro a qualquel custo!

Alexis disse...

A verdade, é que apesar de termos alguns lugares rodeios sendo proibidos, ainda temos inumeros eventos que praticam essas crueldades com os animais. Concordo plenamente com as palavras do Fernando, nessa história quem é o verdadeiro animal?

Loirinha Linda disse...

Pois é, ingenuamente, sempre gostei dos rodeios, festa e tal, não imaginava das atrocidades aos animais!Espero que essa prática termine de vez, não cabe na atualidade esse tipo de tortura aos animais!!

Luiza Almeida disse...

fui em rodeios ainda criança e assisti alguns nos filmes americanos. Só,depois de adulto, entendi porque sempre torcia pela vitória dos animais de quatro patas.

Carlos Primo disse...

Odeio rodeio! desde sempre!