12 de novembro de 2010

Papo Rápido

* O Hospital da Unimed, inaugurado recentemente em Volta Redonda, é uma maravilha. As instalações são confortáveis, modernas, eficientes. O atendimento é por classificação da necessidade do paciente, ou seja, são priorizados os casos mais graves. Tudo muito lindo e perfeito, não fosse uma falha no essencial: o médico. O paciente fala, fala, fala, e o médico digita, digita e digita, sem olhar pra cima. É solicitada a medicação adequada, mas o paciente sai de lá sem saber o que teve. Não há uma conversa, uma atenção, nada. Huamnização zero.

* Por outro lado, o modelo Plano de Saúde ainda bate um bolão em cima do SUS. Há poucos dias, num sábado de manhã, um amigo foi atendido no Cais Aterrado, da prefeitura de Volta Redonda. Apresentava quadro de vômito, diarréia e dores abdominais. Teve vários episódios de vômito durante a madrugada e já estava com aquela face verde, quando amanheceu no pronto atendimento. O médico também mal olhou na cara dele. Receitou Plasil e Buscopan e mandou pra casa. Uma semana depois, sem melhora nas dores e na prostração, foi a um médico particular, que disse "se você tivesse tomado no mínimo um frasco de soro, estaria de pé rapidamente". Pelo menos a paciente que foi ao Hospital da Unimed, com os mesmos sintomas, tomou um sorinho. É a saúde doente, quase moribunda.

* É hoje a abertura da 1ª Semana Umbandista de Volta Redonda, no Memorial Zumbi, a partir das 18 horas. O encontro vai até segunda-feira, 15, e promete reunir religiosos dos cultos Afro da cidade. A programação é extensa: hoje tem queima de fogos e culto em Louvação aos Orixás. Nestes três dias, quem for ao Memorial Zumbi poderá assistir a palestras, apresentações de dança, jongo, curimba, capoeira, maculelê, além de artesanato, feira de livros e do projeto Cinema na Rua. No domingo, às 13 horas, tem a Caminhada de Ogum, em defesa da liberdade religiosa, com saída do Memorial. O encontro é realizado pelo Movimento das Religiões de Matriz Afro, instituído pelo Templo de Umbanda Luz Divina, sob coordenação da Yalorixá Sandra Mara Batista Ribeiro. Veja a programação completa.

* O jornal Volta Cultural, para onde escrevo uma coluna mensalmente, está promovendo uma série de modificações e está ficando cada vez melhor. As edições agora são quinzenais e em breve teremos o Volta na internet. Quem ainda não leu, leia. Não sabe o que está perdendo.
.

5 comentários:

Fernando de Barros disse...

Concordo com o comentário da minha cronista favorita sobre o novo hospital da Unimed. Apenas permita-me comentar que não acho justo o pagamento do estacionamento. Se alguém precisar ficar duas horas no PA (Pronto Atendimento) vai desembolsar R$ 3,00 e por ai vai.
Além disso, há a distancia do local do referido estacionamento até o PA. Em dias de chuvas é uma beleza. O paciente pode piorar e o acompanhante pode virar paciente.

Thayra Azevedo ♥ disse...

O Volta Cultural está mesmo cada vez melhor. Estamos trabalhando para que a cultura seja divulgada com exelência! beijos

Maíra Vilela disse...

Acho pessimo o atendimento pessoal da maioria dos medicos que vou. Eh uma frieza, apatia...

artedodesenrolo disse...

Independente do setor que você trabalhe, simpatia não é sinônimo de bom atendimento, mais ajuda e MUITO a ganhar clientes e a fazer o nome do hospital ou qualquer outro estabelecimento, quem faz o lugar é quem trabalha lá. Quanto a estrutura do hospital da Unimed, realmente, não tem o que reclamar em questão de ESTRUTURA, mais esse negócio de atendimento por classificação da necessidade do paciente é complicado, outro dia eles estavam com apenas uma equipe e vários pacientes muito mal, eaí? Como fica?

Abraço
Renan Cury

Thaissa Costa disse...

Eu sei que é falar mais do mesmo, mas é fato que a nossa saúde está doente.