9 de abril de 2010

Chico Xavier, o filme

Eu recomendo


Comparo o filme Chico Xavier a uma adaptação de livro que li. É tanta informação pra colocar em pouco tempo de exibição que no final dá sempre aquele gostinho de quero mais, de ‘tá faltando alguma coisa’. Afinal, colocar 92 anos de vida intensa em poucos minutos, é mesmo impossível. E nós, que o conhecemos e admiramos toda a sua história, saímos do cinema com a sensação de que haviam se passado apenas 15 minutos, depois de mais de duas horas.

Mesmo assim o filme é completo no que se propõe. Apresenta ao público quem foi Chico, o seu trabalho, a sua missão. Mostra toda a polêmica provocada por algo considerado inexplicável aos olhos materiais, mas deixa clara a seriedade do trabalho dele.

Bom também foi ver que Chico Xavier era um ser humano normal, assim como eu. Tinha medos e era vaidoso com a própria aparência. Ficava feliz com suas vitórias sem denegrir o nobre trabalho a que se dispôs fazer.

Senti falta de uma sequência que nos mostrasse o desencarne dele, já relatado inclusive em livro. Mas a opção encontrada para o final foi a mais acertada. Terminou em alto astral, bem a cara do Chico. Foi a primeira vez que vi todos os espectadores permanecerem sentados até o fim dos créditos do filme e, (pasmem!), saírem em total silêncio.
.

3 comentários:

c i n t i a disse...

quero muito ir assistir!

Henriéte disse...

Eu também observei o mesmo. Total silêncio na saída da sala. Tal a emoção que pairava no ar. A oração do Pai Nosso fechando a história pra mim foi de total singeleza. A impressão é que todos os assistentes oraram juntos, assim como eu.

Under Son disse...

Bonito filme, realmente. Uma homenagem digna para um espírito elevadíssimo. Há muito tempo que eu não via espectadores aplaudindo o final de um filme.
Nós, brasileiros, tivemos a honra de ver nascer no seio do nosso país homens como ele e o Dr. Bezerra de Menezes, que só deixaram exemplos de sabedoria e doação e que agora o cinema nacional traz de volta à memória do país.
Abraço.